Delírio


Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!

Na inconsciência bruta do meu desejo

Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.


Em suspiros de gozos infinitos

Disse-me ela, ainda quase em grito:
– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.


No seu ventre pousei a minha boca,

– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca,
Moralistas, perdoai! Obedeci...




Olavo Bilac

4 comentários:

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

De obedecer, descer e se aquecer... ;)

Sabrina disse...

maravilhoso seu blog, vou ser visitamnte assídua!
e a foto... vou deixar a mesa preparando pra quando o namorado chegar, rs

bjos

Blog Sozinha ou Acompanhada disse...

Não sabia desse lado devasso de Bilac!
Esse seu blog....
Hoje é o dia do sexo!!!!

Anônimo disse...

Sexo oral quem me dera experimentar.

Obrigada JT.

Obrigada JT.

Obrigada,

Obrigada,
Recebi este selo do blog :eroticamenteincorreto.blogspot.com (vale a visita)

Mais um lindo presente

Mais um lindo presente
Vale a pena conferir seu blog !!!