Dar não é fazer amor

Dar é dar.
Fazer amor é lindo, é sublime, é encantador, é esplêndido.
Mas dar é bom pra cacete.
Dar é aquela coisa que alguém te puxa os cabelos da nuca...
Te chama de nomes que eu não escreveria...
Não te vira com delicadeza...
Não sente vergonha de ritmos animais. Dar é bom.
Melhor do que dar, só dar por dar.
Dar sem querer casar....
Sem querer apresentar pra mãe...
Sem querer dar o primeiro abraço no Ano Novo.
Dar porque o cara te esquenta a coluna vertebral...
Te amolece o gingado...
Te molha o instinto.
Dar porque a vida é estressante e dar relaxa.
Dar porque se você não der para ele hoje, vai dar amanhã, ou depois de amanhã.
Tem pessoas que você vai acabar dando, não tem jeito.
Dar sem esperar ouvir promessas, sem esperar ouvir carinhos, sem
esperar ouvir futuro.
Dar é bom, na hora.
Durante um mês.
Para os mais desavisados, talvez anos.

Mas dar é dar demais e ficar vazio.
Dar é não ganhar.
É não ganhar um eu te amo baixinho perdido no meio do escuro.
É não ganhar uma mão no ombro quando o caos da cidade parece querer te abduzir.
É não ter alguém pra querer casar, para apresentar pra mãe, pra dar
o primeiro abraço de Ano Novo e pra falar:
"Que que cê acha amor?".
É não ter companhia garantida para viajar.
É não ter para quem ligar quando recebe uma boa notícia.
Dar é não querer dormir encaixadinho...
É não ter alguém para ouvir seus dengos...
Mas dar é inevitável, dê mesmo, dê sempre, dê muito.

Mas dê mais ainda, muito mais do que qualquer coisa, uma chance ao amor.
Esse sim é o maior tesão.
Esse sim relaxa, cura o mau humor, ameniza todas as crises e faz você flutuar

9 comentários:

Lua Nova disse...

Esse texto é simplesmente bárbaro... palavra por palavra. Gosto de vc por que mesmoo os textos que não são de sua autoria, são o que vc sente, o que vc gostaria de dizer. Lá no meu blog vc disse que é covarde (eu creio que vc ache que seja diante de escolhas emocionais), mas não vejo isso nos seus posts. Ter medo é natural, é saudável e evita dores e ferimentos desnecessários. Anormal é se deixar paralizar pelo medo, que na maioria das vezes, nem tem explicação consistente. Pois vou te dizer outra coisa: se não estiver magoando ninguém deliberadamente então se jogue, viva tudo que tiver
que viver. Seja intensa, seja total pois a gente se arrepende muito mais do que deixa de viver. Daria o que falta da minha vida pra voltar a ter a tua idade e viver tudo que não vivi.Certo ou errado, bom ou mal, possível ou não. Esses são só conceitos subjetivos, metafísicos. O que importa é ser feliz. Afinal, a eternidade é agora.
Uma semana plena, intensa e feliz pra vc.
Beijos. Te gosto, mulher-menina.

Por que você faz poema? disse...

Nem sempre "dar" é de graça.

Diana Carla disse...

Considero esse texto simplesmente perfeito...me identifico tanto com você com tudo que tem aqui, mesmo não comentando em todos sempre passo por aqui pra ler..aqui me sinto tão bem....

estamos sempre em um turbilhão de sentimentos entre defini o certo do errado que acabamos nos esquecendo de viver!!!

bjinhus...

Pilar disse...

Hacer el amor, amar, no es lo mismo.
Pero el amor se hace, se da, se entrega el cuerpo y se abandona el alma

suerte en el partido!!!


Fazer amor, amor, não é o mesmo.
Mas o amor é feito, uma vez, entregou o corpo ea alma deixa


sorte no jogo!!! :)

Sil.. disse...

Lu, querida, e eu assino embaixo as palavras do Veríssimo!!
Bela escolha do post!

Um abraço meu!!!

Blog Sozinha ou Acompanhada disse...

Adorei seu blog! Adoro poesia!
Parabéns!
beijocas,
mari.

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do "Entre Aspas". Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Nira disse...

Esse texto é simplesmente perfeito. Sinto como se estivesse nele parte da minha essência. Pena que faça tanto tempo que não "dou".

Brasil Desnudo disse...

Olá Luciana!!
Além de um Poeta, um narrador exemplar, um Adorador e Admirador das paixões contidas e incontidas do sexo oposto, Veríssimo sempre exaltou os conflitos Femininos de uma forma simples, mas de uma forma confrontante aos seus anseios...
Fazer Amor é Algo Sublime, onde nos doamos, nos damos por inteiro, e depois, precisamos do estar juntos...
Essa é diferença!

Bela matéria e muito bom seu Blog

Meus parabéns

Marcio RJ

Obrigada JT.

Obrigada JT.

Obrigada,

Obrigada,
Recebi este selo do blog :eroticamenteincorreto.blogspot.com (vale a visita)

Mais um lindo presente

Mais um lindo presente
Vale a pena conferir seu blog !!!